fbpx

A economista e advogada Elena Landau defende que não há clima para privatizações no governo atual. Para ela, o plano de desestatização proposto pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, não passou de “1 discurso totalmente irreal” durante a campanha eleitoral de 2018.

Elena Landau é 1 dos nomes mais influentes no meio do liberalismo brasileiro. Comandou a diretoria de desestatização do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Social e Econômico) durante o governo de Fernando Henrique Cardoso.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;}.mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px
7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Receba a newsletter do Poder360

Ela afirma que Guedes precisa negociar as vendas das estatais com outras pastas.

“Para fazer privatização, o ministro da Economia é que tem que entrar na bola dividida com o ministro da Infraestrutura, que não quer vender a Infraero, ou com o Ministro das Telecomunicações, que não quer vender EBC e Telebras. E você tem que ter 1 árbitro. Pode ser o Chefe da Casa Civil, pode ser o presidente da República. Quando você não tem árbitro você fica num conflito e não muda nada“, afirmou em entrevista ao Poder360.

Para Landau, as propostas de privatizações do governo Bolsonaro são “uma farsa”. Ela relembra as críticas do então candidato direcionadas ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso por ter privatizado a companhia mineradora Vale, em 1997.

A economista explica ainda que o discurso de Paulo Guedes é “totalmente irreal” quando traz o benefício das arrecadações das vendas equivalentes a R$ 1 trilhão.

“Nunca existiu esse valor. Ele nunca mostrou essa conta porque essa conta não existe. E se existe, é porque ele fez a conta errada. Mesmo que você some o valor de todas as estatais federais do governo, de participação e de controle de verba, você não chega próximo disso. Mesmo porque o governo não possui 100% da Petrobras, da Eletrobras e do Banco do Brasil, então esse número não existe.” 

Assista a íntegra da entrevista de Elena Landau ao Poder360 (37min 5seg):

Leia outros assuntos abordados na entrevista:

Nesta semana o presidente Jair Bolsonaro proibiu a equipe econômica de prosseguir com o Renda Brasil, mas depois voltou atrás e permitiu a formulação de 1 novo texto. Qual a importância dos programas sociais para a recuperação econômica para o pós-pandemia? O Brasil perde ou ganha com esse programa?

A pandemia deixou claro que é preciso 1 programa de proteção social, independente se ele vem para ajudar na retomada econômica ou não. Principalmente 1 programa que pudesse dar conta do mercado de trabalho informal, que não são necessariamente pessoas de baixa renda, mas são afetadas pela volatilidade do mercado. Também mostrou que essa transferência de renda dá sustentabilidade ao comércio, permite a retomada da economia no curto prazo e reduz os indicadores de pobreza.

Se fizer 1 Renda Brasil que não respeite a solidez fiscal vai ter voo curto, gerará problemas orçamentários, e quebrará o teto [de gastos]O problema do Bolsonaro é que ele quer fazer omelete sem quebrar ovo. Ele quer 1 programa de transferência de renda poderoso, fácil, de rendimento, mas sem eliminar as ineficiências. Quando ele manda parar de falar sobre o Renda Brasil, o que ele quer é que a equipe econômica se organize antes de falar de coisas que não estão sendo debatidas internamente. É difícil dar razão ao Bolsonaro, mas, de fato, não pode sair cada 1 falando o que pensa sem se organizar.  

O presidente Bolsonaro gostou dessa coisa populista, de transferência de renda, de aprisionar o pobre, mas ele precisa decidir quem vai perder nesse jogo, se vai ser o funcionalismo, se vão ser os militares. É 1 jogo de reorganização dos recursos do Estado.

Estamos a 3 meses do fim do ano e a agenda das votações no Congresso está apertada. Quais pautas devem ser priorizadas?

A prioridade deveria ser trazer os impactos da Reforma Administrativa para o curto prazo.  Não adianta nada uma Emenda Constitucional que vai ter impacto daqui 20 anos. E eu não estou falando só de impacto fiscal. É impacto de qualidade, eficiência e produtividade. Você precisa melhorar a qualidade do serviço público brasileiro.

No início de setembro acompanhamos mais 1 desentendimento entre Paulo Guedes e Rodrigo Maia. O ministro proibiu a equipe econômica de conversar com o presidente da Câmara. Como essa falta de interlocução pode impactar nas reformas pretendidas?

Esse desentendimento dos apoiadores do Bolsonaro em relação ao Rodrigo Maia teve 1 efeito muito positivo no ano passado. Foi exatamente isso que fez o Rodrigo Maia puxar a Reforma da Previdência para si e fazer ser votada. O problema é que o Executivo é quem tem que fazer a pauta. A ausência dele atrapalha.

Antes eu achava que era só uma inabilidade política, mas eu vi que é uma infantilidade, uma disputa. Há uma sensação de que o ministro acha que tudo tem que ter o dedo dele. E ele não está conseguindo emplacar nada que tenha a marca Guedes, que é o Regime de Capitalização [previdenciário] e a CPMF.

Se o executivo trabalhar em conjunto com o legislativo é muito melhor, muito mais rápido. E é função do Ministério da Economia ou qualquer outra pasta trabalhar pela aprovação das suas reformas.

Nos últimos 2 anos o Brasil vem enfrentando dificuldades para preservar seus biomas. Atualmente estamos acompanhando as queimadas no Pantanal. De que maneira esses episódios podem impactar a economia?

A imagem do Brasil não poderia estar pior. Você tem uma reação de grandes fundos de investimento, de países que cuidam mais do meio ambiente, desde aquela ridícula negociação do ministro Salles com o Fundo da Amazônia. Esse governo não entendeu que o meio ambiente, hoje em dia, é regra de compliance.

Por Poder360
https://www.poder360.com.br/economia/plano-de-privatizacao-do-governo-bolsonaro-e-uma-farsa-diz-elena-landau/

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *